Roupa colorida que a gente estendeu

Calças cinzentas e camisas estampadas, calças de ganga, mantas às riscas e meias de vários tamanhos dispõem-se na corda de um rés-do-chão de um prédio da Travessa dos Despacho, à rua do Passadiço. As roupas coloridas estendidas nas varandas e nas janelas, expostas ao sol de Verão e de Inverno, marcam há muito a paisagem urbana de Lisboa, à semelhança de outras cidades do Sul europeu. Ao caminhar em Outubro passado pelo bairro de São José, eu, a Andreia Magalhães, a Islene Façanha e o Nuno Castro Caldas, associados da ZERO, questionávamo-nos se esta era uma boa maneira de sabermos mais sobre quem vive nestes prédios. Estávamos num Sábado de manhã, numa altura em que se tornam prementes os afazeres domésticos da semana, e espalhava-se pelas ruas o perfume da roupa recém-estendida. A variedade de roupa, dos calções de criança às camisas de trabalho, fazia-nos pensar que ali continuavam a viver famílias. 

Será que há roupa estendida nas fachadas ou nas traseiras dos alojamentos locais que começaram a pontuar o bairro? A roupa branca que por vezes e vê nos estendais dos ‘bairros populares’ sugere uma padronização introduzida pela presença do turismo. Mas os alojamentos locais parecem distinguir-se apenas pela sua discrição, no desejo de se confundirem com a restante malha urbana. Também as lavandarias se multiplicaram recentemente em Lisboa, suprindo as necessidades de residentes temporários, turistas de um dia ou estudantes por um ano, que vivem em casas com equipamentos reduzidos. Os visitantes por um, dois ou três dias podem, contudo, experienciar o ‘centro’ da cidade e o espírito de vizinhança que acompanha a imaginação turística de Lisboa. Talvez esta seja uma das pistas para percecionar as recentes transformações no quotidiano urbano. A roupa estendida às janelas revela uma domesticidade apresentada no espaço público. Através da roupa às janelas podemos começar a perceber quem e como se mora hoje na cidade? 

Por estes dias de Maio, mantas, t-shirts e calções vindos dos subúrdios de Lisboa estão estendidos numa corda da roupa em Marselha em frente ao Mucem – Musée des civilisations de l’Europe et de la Méditerranée. Fazem parte da peça Kintal (2022), do colectivo Unidigrazz, uma obra produzida para ser mostrada durante o Festival Iminente que decorre naquele museu. As experiências comuns de Tristany, do ilustrador Nuno Trigueiros, do realizador Diogo Carvalho, e ainda de Sepher AWK et Rappepa BeDju na linha de Sintra levou-os a reflectir sobre as desigualdades nos espaços suburbanos. E a roupa estendida, que desigualdade revela?

Na Aldeia da Roupa Branca (1939), Beatriz Costa cantava alegremente enquanto lavava “Três corpetes, um avental /Sete fronhas e um lençol /Três camisas do enxoval / Que a freguesa deu ao rol”. Neste filme, conta-se uma história passada num tempo em que a “roupa branca” da burguesia lisboeta era dada a lavar às lavadeiras que iam a vinham da região saloia. “Ver a aldeia traz à ideia/ Roupa branca que a gente estendeu”. E hoje, onde e quem lava a roupa no bairro de São José em Lisboa? 

A encruzilhada do turismo

post

As cidades têm merecido uma crescente atenção quando se fala de sustentabilidade, entre outras razões, porque são territórios cujo crescimento, em termos populacionais, se prevê que continue a ser uma tendência. Trabalhar as cidades nas cidades e com quem vive e constrói esses territórios será fundamental para atingirmos objetivos se sustentabilidade. 

Em cidades como Lisboa uma das áreas de grande impacto na sustentabilidade é o turismo. Se o olhar se centrar nos aspetos menos positivos podemos sublinhar os impactos decorrentes das infra-estruturas locais necessárias para acolher o fluxo de turistas,  ou o consumo direto de recursos (produtos e serviços) pelos turistas durante a estadia, bem como os impactos indiretos associados às emissões de gases com efeito de estufa (a par com muitos outros poluentes e uso de recursos) associados à mobilidade, que, no caso de Lisboa, é muitas vezes suportada em viagens aéreas, mas onde os navios de cruzeiro também já têm um papel.  

Num estudo publicado em 2019 Lisboa surge como o porto europeu com maior tráfego de navios de cruzeiro (115), seguido de Barcelona e Palma de Maiorca (em 2017). Os dados indicam que, no que respeita aos óxidos de enxofre, os navios de cruzeiro emitiram 3,5 vezes mais que os automóveis que circulam na cidade. Já no que respeita aos óxidos de azoto, os navios de cruzeiro em Lisboa emitiram quase o equivalente a um quinto dos 374 mil veículos de passageiros que circulam na cidade (link). Este é um impacto sobre o qual poucos pensam, mas que é real (ou era no período estudado, sendo que o mais importante é perceber como será no futuro).

Claro que o boom turístico que a cidade de Lisboa conheceu nos últimos anos também foi o motor de transformações importantes, por exemplo ao nível da reabilitação de edifícios, embora também tenha colocado uma enorme pressão sobre o parque habitacional, em particular em alguns bairros históricos da capital. 

O projeto COESO, financiado pelo Horizonte 2020, do qual a ZERO é parceira, tem por objetivo olhar para o fenómeno do turismo através de uma lente diferente, contando, quase desde o primeiro momento, com o envolvimento de quem vive na cidade ou para quem a cidade faz parte da vida.

Foi um projeto pensado num tempo diferente, para uma realidade que foi transformada de forma impensável há apenas dois anos atrás. A Lisboa turística de hoje é ainda a mesma cidade sobre a qual pensávamos quando o projeto foi elaborado? Claramente não. É cedo para se conseguir vislumbrar com clareza o que veio para ficar, o que se perdeu e o que se ganhou com esta experiência em larga escala e em tempo real qua a pandemia veio impor. Mas é também um momento particularmente interessante e relevante. Enquanto sociedade, experienciámos o que, para alguns, já era um excesso, para logo de seguida experienciarmos o seu exato oposto. Até que ponto a confrontação com o inesperado alterou a perspetiva sobre o papel que o turismo desempenhou ontem, desempenha hoje e desempenhará no futuro da cidade de Lisboa?

Neste projeto onde a co-criação da investigação é um dos pressupostos centrais, sempre numa lógica de explorar o potencial de uma ciência cidadã, estamos, de facto, perante um contexto promissor para uma reflexão fundamentada e partilhada sobre o que o turismo representa para a cidade de Lisboa.

Para uma organização não governamental de ambiente como a ZERO esta é, de facto, uma oportunidade única de trazer para o debate as suas preocupações, mas também para ouvir e refletir sobre os diferentes pontos de vista que serão partilhados. Dessas reflexões daremos conta em próximos textos.

Uma Minhota, duas fotografias

No nosso projecto, usamos a fotografia não só como um instrumento para a representação das realidades observadas no terreno, mas sobretudo como prática que conduz à produção de conhecimento. Alicerçados na antropologia visual participativa, pretendemos explorar a construção de conhecimento através de práticas visuais (Pink 2001).

No nosso trabalho de campo colaborativo durante o Primeiro Passeio, a prática da fotografia evidenciou as diferentes abordagens à cidade que os nossos investigadores-cidadãos trouxeram para este projecto. Tal ficou explícito quando percorremos a rua de São José e as transformações recentes, muitas delas disruptivas, nesta rua foram fotografadas de modo diferente por cada um dos caminhantes, evidenciando distintas sensibilidades às alterações urbanas. O caso mais evidente aconteceu com a Leitaria e Manteigaria A Minhota.      

Inaugurada na década de 20 do século XX, a Leitaria e Manteigaria A Minhota fechou a as portas em 2019. Nos anos anteriores ao fecho, tinham-se multiplicado os discursos de defesa e salvaguarda de locais e ambientes de uma Lisboa apelidada de “tradicional” ou “autêntica” ou “histórica”, os quais acompanharam, e procuraram resistir, às novas dinâmicas introduzidas no “centro histórico” de Lisboa pelos movimentos turísticos, pela pressão imobiliária e a gentrificação. Este foi um discurso formado e partilhado por várias instâncias, do poder político à comunicação social e às ciências sociais. Entre outros exemplos, o relatório Novas Dinâmicas urbanas no Centro Histórico de Lisboa,encomendado pelas Juntas de Freguesia de Santa Maria Maior, de São Vicente e da Misericórdia à Quaternaire (2017), assinalou a tendência da “descaracterização e a perda de identidade, de cultura, de património (perda de elementos vivos que não conseguem resistir à nova “concorrência”, seja pelos preços, seja pela falta de utilizadores-clientes que “transportavam” os valores identitários).” Neste contexto de resistência, a Leitaria Manteigaria A Minhota foi eleita uma das Lojas com história, o programa da Câmara Municipal de Lisboa destinado a “preservar e salvaguardar os estabelecimentos e o seu património material, histórico e cultural.”

O registo fotográfico permite entender diferentes experiências de investigação deste fenómeno recente. Uma das nossas caminhantes, Andreia Magalhães, geógrafa, com mestrado em Planeamento Regional e Urbano, membro da associação ambientalista Zero, fotografou esta loja, realçando, através do enquadramento escolhido, em plano aberto, o fecho da loja e a degradação do edifício. Em notas escritas a propósito do Passeio, acrescentou que “muitos estabelecimentos comerciais fecharam (p. ex. leitaria/manteigaria, sapataria) e/ou deram origem a novas atividades.” A fotografia permitiu entender melhor como o fecho da loja, se levou à degradação material do edifício, também trouxe novas intervenções urbanas no espaço público. Permite ainda entender como a pintura de tags e graffiti se concentram na montra e na porta de entrada da loja, deixando praticamente intocado o painel de azulejos. Duas linguagens de comunicação urbanas e populares – uma, mais transgressiva e desinteressada (graffiti), e outra, mais comercial e estetizada (publicidade), – convivem nesta fachada do edifício. 

Do mesmo ponto de observação, Nuno Castro Caldas, arquitecto de formação, doutorando em Arquitectura com uma tese sobre a financeirização da habitação em Lisboa e que colabora também no nosso projecto, escolheu um enquadramento mais fechado sobre a rua de São José de forma a centrar a atenção no painel de azulejos. Desta forma, a composição da fotografia individualiza este painel de azulejo publicitário, privilegiando a sua qualidade estética em desfavor de elementos contextuais do espaço urbano (rua/edifício). 

Referências:

Sarah Pink, Doing Visual Ethnography. Images, Media and Representation in Research. SAGE: Londres/Nova Dehli, 2001.

Artur Costa et al (coord.), Novas Dinâmicas Urbanas no Centro Histórico de Lisboa. Quaternaire, Dezembro 2017.

Cidade (In)visível no Encontro Nacional de Ciência Cidadã

A equipa da Cidade (In)visível apresentou o seu projecto-piloto no Encontro Nacional de Ciência Cidadã, o qual visou a partilha e a discussão dos desafios e das boas práticas que levam a um envolvimento mais efetivo dos cidadãos nos processos de investigação científica. Entre 25 e 26 de Novembro, num formato misto (presencial e online), este Encontro reuniu mais de 50 comunicações que discutiram experiências e resultados de projectos de ciência cidadã em Portugal.  

Apresentação do projecto na Biblioteca Municipal de Oeiras, Encontro Nacional de Ciência Cidadã

Num painel dedicado à Educação, Sociedade e Cidadania (livro de resumos), apresentámos o nosso projecto-piloto, reflectindo, em especial, sobre os métodos da investigação colaborativa que colocámos em prática nos últimos meses. Expusemos o nosso processo de pesquisa assente numa combinação de métodos historiográficos, sociológicos e, sobretudo, etnográficos e a forma como os investigadores-cidadãos têm participado nas várias iniciativas.  

Passeio por Santo António

Há uma cidade autêntica, há uma identidade de Lisboa? Como se ocupa o espaço público (ruas, passeios, esplanadas) na cidade? Quem são os habitantes? Há diferenças e os conflitos entre residentes e visitantes? O que compramos na cidade, quem compra e quem vende? Estas foram algumas das questões que nos colocámos a partir de uma primeira fase exploratória do projecto Cidade (In)visível e das conclusões do workshop realizado no passado 23 de Setembro. A partir daquelas questões orientadoras, decidimos organizar um Passeio por Santo António com os investigadores e associados da ZERO, com vista a observar e registar os efeitos do turismo na vida quotidiana nesta freguesia de Lisboa. Acreditamos que, ao percorrer o espaço público em conjunto, a experiência do passeio permite assinalar diferentes dimensões da vida urbana quotidiana. Observar quem usa, habita e reclama certos espaços públicos, em que condições ambientais se encontram, como as ruas e fachadas dos edifícios reflectem a vida social de quem os habita, o que vendem as lojas abertas, permite registar relações sociais e outros fenómenos sociais urbanos. Toma-se assim o acto de caminhar em conjunto como base de uma metodologia de investigação colaborativa de cariz etnográfico. 

No Sábado, dia 23 de Outubro, pelas 11h, os caminhantes encontraram-se na escadaria do cinema São Jorge, na Avenida da Liberdade, para iniciar cerca de hora e meia de percurso pelas ruas e praças de Santo António. Oito pessoas – dois investigadores acompanhados de seis associados (ou conhecidos) da Associação ZERO – dividiram-se em dois grupos, com o objectivo de explorar cada uma das colinas que ladeiam a Avenida da Liberdade. Duas equipas assim constituídas registaram as suas observações através de fotografias, gravação de som e ainda através de apontamentos em cadernos. Observámos, conversámos e registarmos em conjunto as transformações urbanas que foram ocasionadas pelo turismo, também de forma a podermos partilhar alguns dos registos recolhidos através deste nosso blogue Cidade (In)visível. Para já, publicamos os percursos realizados por cada um dos grupos:

Mapa do Grupo 1_bairros de Santa Marta e São José
Mapa do Grupo 2_Colina do Príncipe Real

Primeiro Workshop Cidade (In)visível

Primeiro Workshop Cidade (In)visível, 23 de Setembro de 2021

O primeiro workshop do projecto, o qual juntou investigadores e associados da ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável, realizou-se dia 23 de Setembro, marcou o momento de arranque desta investigação colaborativa. Na plataforma zoom, aos membros da equipa de investigação deste projecto-piloto, constituída pela Elisa Lopes da Silva, Frédéric Vidal, Israel Guarda, que trabalham no âmbito do CRIA Centro em Rede de Investigação em Antropologia, juntaram-se Euclides de Sousa, Nuno Degroote, Andreia Magalhães, Nuno Castro Caldas, Karin Potter, Joana Conduto, associados da ZERO que responderam ao apelo que lhes tinha sido dirigido por email por Susana Fonseca, enquanto membro da Direcção da ZERO e também investigadora deste projecto. Também presente neste workshop esteve Filipa Somsen, trabalhadora da Junta de Freguesia de Santo António e  estudante da Universidade Autónoma de Lisboa, duas instituições que são importantes parceiros locais neste estudo. Camilo León-Quijano, antropólogo visual do projecto COESO, de que este piloto faz parte, juntou-se a nós para observar o nosso processo de investigação colaborativa.

Apresentação em powerpoint do objectivo do projecto

Apresentação em powerpoint da pesquisa de imagens

workshop decorreu durante cerca de duas horas e foi dividido em duas partes. Durante os primeiros 30 minutos, os membros do projeto apresentaram os objetivos, o âmbito e os métodos de investigação, bem como alguma pesquisa de arquivo já realizada (recolha de imprensa e imagens: televisão, fotografia) em torno dos efeitos do turismo na transformação dos usos quotidianos do espaço urbano de Lisboa nas últimas duas décadas. Na segunda parte, depois das apresentações individuais, a conversa entre os participantes decorreu sobre as transformações recentes na cidade em virtude da massificação do turismo, em particular no difícil equilíbrio entre os interesses, necessidades e práticas dos residentes, dos turistas e de outros usuários da cidade.

Elisa Lopes da Silva

Turismo em Lisboa

Desde o final da década de 1990, Lisboa tornou-se um dos destinos turísticos de crescimento mais rápido na Europa. Nos últimos anos (antes da pandemia do COVID-19), o forte aumento do turismo transformou profundamente a cidade. Torna-se, portanto, relevante entender como os impactos sociais, económicos e ambientais do turismo são entendidos pela comunidade local (residentes; negócios e consumidores).

Observatório do Turismo de Lisboa, Dezembro 2019, p. 30

Como em outras cidades com padrões semelhantes de densificação do turismo, surgiram movimentos de resistência formais e informais. Entre 2010 e 2020, foram frequentes os protestos contra o turismo e, por vezes, altamente mediatizados. Formais ou informais, muito diversificados e, por vezes, criativos (filmes, cartazes, grafites, espetáculos), estes protestos surgiram em parte relacionados com outros movimentos sociais ou conflitos sociais locais mais amplos (contra a gentrificação, problemas habitacionais ou políticas urbanas em geral). 

O âmbito e os objetivos deste piloto foram definidos em 2019, antes do surgimento da pandemia de COVID-19. Em Lisboa, como em outras cidades turísticas da Europa, a pandemia teve um impacto enorme e imediato na economia do turismo. Por esse motivo, o nosso objetivo terá agora que ser visto sob outro prisma, pois teremos que estudar também como a pandemia afetou as perceções e as práticas dos atores envolvidos, no que diz respeito à sua compreensão do turismo na cidade.

Estudo de caso: freguesia de Santo António de Lisboa

 

Este projecto irá trabalhar em microescala. O nosso principal campo de estudo situa-se na freguesia de Santo António, no centro de Lisboa. Esta freguesia é um território muito heterogéneo com um enquadramento socioeconómico distinto. O impacto do turismo está lentamente a mudar o tecido sociodemográfico e económico desta área, com efeitos diretos nos hábitos diários, nos consumos populares e nos comportamentos da população local.Os novos residentes, muitos deles transitórios, estão a mudar as ideias das comunidades preexistentes, abrindo caminho a novas perspetivas de negócio, de lazeres e outras atividades com impacto direto no ambiente urbano. Tal é sentido com maior intensidade na zona este da freguesia, devido ao seu contexto mais popular, mas os efeitos são sentidos em todo o território, dada a proximidade com o centro da cidade. A crise pandémica que se vive não parou este processo, mas desacelerou-o e trouxe, seguramente, novos desafios a um contexto urbano já sob grande pressão. 

Porquê estudar o turismo?

Actualmente, o turismo apresenta-se como um campo de estudos complexo e diversificado na área das Ciências Sociais e Humanidades, geralmente baseado numa profunda abordagem interdisciplinar (através do diálogo entre a sociologia, a história, a antropologia e os estudos culturais).

Avenida da Liberdade, Dia do Turista, 1969. Arquivo RTP

Investigações anteriores sobre o turismo captaram o potencial transformador duradouro das viagens e do turismo na construção de conceções modernas acerca do espaço urbano, das sociabiliades urbanas, dos lazeres e da vida urbana em geral (Cock 2001). O turismo é um fenómeno bastante  diverso e as suas formas e práticas cruzam-se e sobrepõem-se a outros padrões de produção, mobilidade e consumo (Colomb & Novy 2017; Stock 2010). Defendemos que a diversidade das práticas e condições turísticas podem ser consideradas como ponto de observação estratégica da vida urbana, mas também das questões ambientais em meio urbano. Consideramos também que o turismo é, fundamentalmente, político: a nível micro – num bairro, numa rua, num edifício – podemos observar e captar conflitos, mediações, processos de acordo, os quais em conjunto moldam a vida urbana.

Cocks, C. (2001). Doing the town: The rise of urban tourism in the United States, 1850-1915. University of California Press. 

Colomb, C., & Novy, J. (2017). Protest and resistance in the tourist city. Routledge.

Stock, M. (Ed.). (2010). Le tourisme: Acteurs, lieux et enjeux. Belin.

Cidade (In)visível

Este blogue acompanha o projecto “Cidade (In)visível. Turismo e outras práticas quotidianas em Lisboa”, um projecto-piloto de investigação colaborativa conduzido no âmbito do projecto europeu COESO – Collaborative Engagement for Societal Issues, que tem por objetivo desenvolver e partilhar ciência colaborativa no âmbito das Ciências Sociais e das Humanidades.

Este projecto vai observar práticas turísticas a uma escala micro, documentando e analisando situações de conflitos, mediações, processos de acordo, os quais moldam a vida urbana. Resulta de uma colaboração entre o CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia) e a ZERO (Associação Sistema Terrestre Sustentável), e conta ainda com a participação de dois parceiros locais: a Junta de Freguesia de Santo António e a Universidade Autónoma de Lisboa. Este é um projeto-piloto conduzido no âmbito do COESO (Collaborative Engagement on Societal Issues (EC-H2020-SWAF). Através de uma investigação colaborativa, o CRIA e a ZERO estão envolvidos num processo de cocriação com o intuito de definir objetivos, âmbito e métodos de investigação.