Colaboração e Comunidade

Susana Valente, membro da ZERO

@Camilo León-Quijano

Em maio de 2022, no âmbito do Pilot 1, a ZERO promoveu, em colaboração direta com o CRIA, um focus group para explorar o tema O papel do turismo na transformação do bairro. Para isso convidou um conjunto de pessoas que representam diferentes relações e vivências com este bairro de Lisboa (Junta de Freguesia de Santo António), numa lógica de continuidade da aprendizagem e do envolvimento em atividades que o projeto tem vindo a proporcionar (ex. entrevistas e passeios locais). Foi criado um momento de escuta mútua, de partilha e de inclusão da diversidade de olhares sobre um mesmo espaço da cidade com a participação de pessoas com ligação direta ao projeto e/ou ligação direta ao bairro (investigadores, ambientalistas, moradores, comerciantes, estudantes).

@Camilo León-Quijano

Para além de identificar aspetos positivos e negativos do bairro e cruzar esses aspetos com o Turismo, esta abordagem inclusiva de metodologias qualitativas promoveu uma dinâmica de grupo que foi reconhecida pelos próprios participantes como uma oportunidade de construção de conhecimento mútuo e de vivenciar comunidade.  Comunidade, ComunhãoUnião e Conhecimento – “estamos a aprender muito uns com os outros” – foram as palavras-chave que definiram, a nível pessoal, o espírito criado neste encontro e são exemplares e inspiradoras para continuar este tipo de abordagem com base num envolvimento orgânico de diferentes partes interessadas, unidas pelo interesse do bem-estar e qualidade de vida local.

“Ouvi dizer que Portugal era um país adorável”

José Pedro Pinto dos Reis, Univerdade Autónoma de Lisboa

Durante o mês de setembro de 2022, no âmbito do projeto “Cidade (in)visível: Turismo e outras práticas cotidianas em Lisboa”, tive como tarefa ler as edições do jornal Público dos meses da chamada “época alta” do turismo em Lisboa, durante os anos 1990 e 2000. Encontrei diversos conteúdos interessantes, mas, o que mais me chamou à atenção, foram as entrevistas feitas a turistas estrangeiros durante o mês de agosto de 1995, numa rúbrica intitulada “Turista Acidental”, destinada a saber o que é que os tinha motivado a passar férias em Portugal e a contar um pouco da sua experiência.

“Ouvi dizer que Portugal era um país adorável”, foi uma frase dita por um destes turistas, de seu nome Simon Bates. O inglês de 32 anos diz que o motivo de ter escolhido Portugal como destino de férias relaciona-se com o que ouviu dizer sobre o nosso país, provavelmente de um amigo ou de alguém que já o tivesse visitado (Público, 13 de agosto, p. 41). Estas entrevistas permitem-nos encontrar um padrão nas respostas às diversas perguntas feitas. Assim, conseguimos perceber que a maioria destes turistas escolheram Portugal como seu destino para contrastar com o estilo de vida caótico dos seus países de origem. A grande maioria não procurava fazer turismo cultural; apenas queriam aproveitar o sol, as praias e a gastronomia do país, aproveitando ao máximo para relaxar. Estes foram os três pontos mais abordados quando lhe foi feita a seguinte pergunta “O que é que Portugal tem que o seu país não tem?”. Dada a nacionalidade da maior parte dos entrevistados ser inglesa, francesa, alemã e holandesa, é natural que assim o seja, principalmente por causa do clima e das praias.

Será que estes turistas tinham algum conhecimento sobre Portugal ou de algumas das suas figuras mais emblemáticas? Bem, a resposta não é assim tão linear, mas se tivesse que optar entre um sim ou um não, definitivamente que escolheria a última. Digo isto porque catorze das vinte e uma pessoas entrevistadas, quando lhe foi perguntado se conseguiam nomear alguma figura portuguesa, não conseguiram responder. Os sete restantes, na sua grande maioria disseram nomes ligados ao desporto, como Eusébio, Paulo Futre, Rosa Mota e Carlos Lopes. Em relação a nomes da história de Portugal, dois disseram Vasco da Gama e um dos entrevistados respondeu D. Manuel I.

A última pergunta da entrevista tinha como objetivo apelar ao sentido crítico dos turistas, perguntando-lhes o que é que gostariam de encontrar diferente se um dia voltassem a Portugal. Alguns dão respostas curiosas. Por um lado, a maioria das pessoas gostaria de encontrar exatamente o mesmo Portugal que acabara de visitar, mas, por outro lado, comentaram e criticaram o excesso de lixo nas ruas. Este foi sem dúvida o problema do país que mais chocou os turistas. Houve quem se queixasse também do excesso de pessoas em situação de sem-abrigo e do perigo que isso poderia representar para os turistas, da ausência de parques e espaços verdes e houve até quem se queixasse da calçada. 

Apesar destes problemas, uns grandes, outros nem tanto, entendi que praticamente todos os turistas encontraram aquilo que procuravam extrair da sua passagem por Portugal, regressando ao seu país de origem com uma imagem positiva do nosso país e, provavelmente, com algumas insolações.

Uma cidade confusa e com demasiados… estrangeiros

Denise Furtado, Universidade Autónoma de Lisboa

A notícia de 30 de agosto de 1998, assinada pela jornalista Andreia Vieira, relata as experiências que os turistas estavam a passar em Portugal, destacando-se, em especial, as suas reclamações face à cidade de Lisboa. Tal como indica o título, havia um choque, por parte dos turistas, por encontrarem em Portugal tantos estrangeiros. Nas reclamações feitas ao Departamento de Turismo por turistas, estes queixavam-se que, além de pagar preços mais elevados do que aqueles que estavam afixados em cafés e restaurantes, estes estabelecimentos encontravam-se também em condições de má higienização. A reclamação mais recorrente é, no entanto, a falta de organização da cidade, tornando-a confusa e cansativa. Com a Expo-98 a acontecer nesse ano, Lisboa estava a receber um número nunca visto de turistas.

Com a notícia conseguimos entender que a Expo-98 trouxe muitos turistas a Lisboa, no entanto a cidade não estava preparada para os receber. Tal devia-se tanto à sua desorganização como à falta de profissionalismo por parte dos cafés e restaurantes, que praticavam ações menos justas para com os turistas, os quais, por estarem numa cidade desconhecida, tornavam-se alvos fáceis. Contudo, uma vez que estavam a ser feitas reclamações para o Departamento de Turismo, as pessoas devidas já estavam cientes do que estava a acontecer, pudendo então tomar medidas de precaução e prevenção.

O Grande Atlas do Portugal Perigoso

João Lopes, Universidade Autónoma de Lisboa

Público, 19 de julho de 1994

Estamos no ano de 1994, ano de Lisboa Capital Europeia da Cultura, e quatro anos separam-nos da abertura da Expo 98. Neste artigo, os autores dão-nos um ponto de situação da criminalidade no país, destacando os maiores focos de criminalidade. O artigo analisa e elabora uma compilação de atos criminosos e violência, com base em denúncias, relatos e estatísticas criminais. Através de uma análise geográfica e estatística, aferimos uma maior criminalidade na zona litoral do que no interior, com as zonas interiores relativamente incólumes a estas ameaça dos atos criminosos, devidos em parte aos grupos mais marginalizados e em muitos casos segregados para zonas periféricas da cidade. O que não significa que sejam nas zonas periféricas onde há mais incidência de criminalidade. O panorama nesta década é de uma grande criminalidade nas grandes cidades de Portugal, Porto e Lisboa, particularmente nesta cidade, onde se assinala maior número de homicídios, roubos, assaltos, consumo de droga, prostituição. Aqui se afirma a maior facilidade em assaltar uma casa em comparação com as zonas periféricas normalmente consideradas mais perigosas. Na elaboração deste “Atlas”, os autores retiram testemunhos e relatos de profissionais que mais estão expostos a estes ambientes perigosos: polícias, seguranças, bombeiros, funcionários públicos, técnicos de saúde, assistência social, motoristas de transportes públicos e taxistas.

Público, 19 de julho de 1994

Neste estudo, a zona mais referida foi Almada. No entanto, segundo as estatísticas, um dos locais mais perigosos e onde a probabilidade de alguém ser alvo de um roubo era a zona do Marquês e Parque Eduardo VII, especialmente durante a noite. E aqui temos uma imagem da zona urbana do centro de Lisboa durante um grande evento desportivo europeu e um grande evento de exposição mundial: um dos locais com maior criminalidade em Portugal, o que tem efeitos a nível económico e social no turismo, na projeção no exterior e na qualidade de vida da população que visita e vive nesta área. Tal está mencionado no próprio artigo “desde o alto do Parque Eduardo VII até aos Restauradores”,  sendo inclusivamente mencionado: “mais perigoso passar no Marquês de Pombal do que no Casal Ventoso”. Podemos assim comparar este período de alta criminalidade e delinear uma linha de evolução negativa ou positiva até aos dias de hoje: aumento do turismo, mais receitas a nível económico e fatores qualitativos mais relacionados com o modo como a população interage no território, se é agradável passear no local, se participa em atividades que aí decorrem e a imagem que tem do local onde vive. 

Guarda-nocturno agredido no Lumiar

Paulo Panda, Universidade Autónoma de Lisboa

Público, 7 agosto 1992

Na atual panorâmica da Baixa de Lisboa, a racionalização das vias rodoviárias e a implementação das linhas do metro por si só não justificam o ‘peso abrupto’ da cidade aos olhos de quem a visita. Quando me refiro ao ‘peso abrupto’, quero eu me colocar na primeira pessoa e em ideias preconcebidas minhas a respeito do cotidiano da Baixa de Lisboa e no que tange a proteção e segurança da vida humana. As notícias dos dias 7 e 9 de agosto de 1992, publicadas pelo jornal Público, reiteram o crescente número de assaltos ocorrido na Baixa de Lisboa numa escala de 22% em comparação ao ano de 1991. Estas duas notícias desconstroem a minha visão de uma Lisboa dos anos 90 do século XX, calma e segura ao nível da criminalidade.

Roubos aumentaram

Paulo Panda, Universidade Autónoma de Lisboa

Público,9 agosto 1992

Embora a página beneficie de múltiplas notícias, fora do contexto turístico, o que me chamou a atenção foi o texto da margem direita, o qual informa o crescente número de roubos ocorridos nos meses de maio, junho e julho nas residências e nas pessoas na baixa de Lisboa. Nos anos noventa do século XX, a Avenida da Liberdade é conotada como local de frequentes práticas criminosas.

Lisboa é procurada por homens de negócios

Apenas 35,8 % dos visitantes são turistas“, diz notícia do Público.

Mário Costa, Universidade Autónoma de Lisboa

Público, 18 de julho de 1994

Viagens de trabalho e negócios trazem a Lisboa mais de metade do número total de estrangeiros. Alojam-se em hotéis de 4 ou 5 estrelas e ficam na cidade 3 a 4 dias. Refere-se neste artigo que, contudo, Lisboa não era um bom local para fazer negócios. Estudos feitos pela empresa de consultoria Howarth Consulting, contratada pela Câmara Municipal, indicaram que cerca de 56,4 % dos visitantes que vêm para fazer negócios são provenientes de França, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos e ficam em Lisboa 4 a 5 noites. 70% são homens entre 35 e 54 anos e vêm sempre para Lisboa, onde fazem as suas dormidas em hotéis como o Sheraton e Méridien. Aqueles que ficam mais tempo acabam por ficar em hotéis de 2 ou 3 estrelas (alemães, italianos e americanos), particularidade de quem passa pela primeira vez em Lisboa e que abrange cerca de 20%. A qualidade dos restaurantes é o que agrada aos estrangeiros, mas o custo de vida está longe de ser barato (é o subtítulo da notícia). Quando comparada a outras grandes cidades do centro da Europa, as preferências vão sempre para Londres, Paris e Genebra; as que estão perto de igualdade ou são consideradas piores são Istambul, Atenas e Dublin, por serem também pouco sossegadas e malcuidadas. O que mais desagrada aos estrangeiros é a falta de limpeza, a falta de animação, o estado do pavimento, a falta de sossego, mas que acabam por serem compensadas pela hospitalidade portuguesa, pelo clima e pelos monumentos. Os homens de negócios veem com interesse a venda de produtos e o sector industrial. 58,4 %  dos estrangeiros viaja sozinho e nove por cento viaja com mulher e os outros 25,1%  desloca-se em grupos de 1 a 5 pessoas. De todas as notícias, eu escolhi esta por ser a mais relevante, pois mostra o suposto turista dividido em duas categorias: o de negócios e o de lazer. Sendo o de negócios mais visível nas ruas de Lisboa, eu penso que essa presença desempenhou um papel importante pois um turista com interesses meramente económicos no local, vai gastar menos tempo em infraestruturas de lazer do que um turista normal. A própria notícia, de uma forma indireta, explica o porquê disso: Portugal não estava preparado para receber turistas e nem tinha atitudes que tornassem a cidade atrativa o suficiente, mostrando que Lisboa era muito mais um ponto de passagem do que realmente um ponto turístico na Europa.

Uma paragem no tempo que agrada aos turistas

José Stovers, Universidade Autónoma de Lisboa

Público, 22 de julho de 1990

Nesta notícia pude perceber a imagem de Lisboa vista pelos estrangeiros que, do meu ponto de vista, variava muito pelo fato de uns acharem a cidade muito agradável e outros nem tanto. Havia estrangeiros admirados com a gastronomia, com preço, mas havia outros que criticavam o comportamento dos portugueses, dizendo que eram arrogantes. Há um estrangeiro que questiona as construções, pois não percebe o motivo de existirem várias obras com poucos trabalhadores quando podiam trabalhar juntos e só depois passarem para outra. Alguns turistas consideram que o país mudou desde que entrou na Comunidade Económica Europeia (CEE). Outros dizem que o problema está na língua (inglês), que pouca gente domina. E para terminar, havia outros que consideravam tudo positivo e diziam que Portugal é o melhor país para se viver e que em breve iriam mudar-se para cá. 

Carta do Turismo Português

José Stovers, Universidade Autónoma de Lisboa

Público, 30 de julho de 1990 [publicidade]

Essa notícia foi das mais interessantes que eu vi: há um incentivo ao povo, como se fosse um ato de nacionalismo/patriotismo. Fez-se um apelo para a valorização do turista português: “Não é só quando há menos turistas estrangeiros que o turista estrangeiro é importante”. Acreditavam que se fossem melhores entre eles também seriam melhores para os outros. Reforçam também a ideia de usufruir as grandezas do país.

Estrangeiros deixaram mais dinheiro nos hotéis

Paulo Fernandes, Universidade Autónoma de Lisboa

Público, 23 de agosto de 1991

Em 23 de agosto de 1991, o jornal Público, destacava, numa pequena nota na página 49, que os turistas estrangeiros, no ano de 1989, tinham deixado nos hotéis em Portugal, qualquer coisa como “424.832 milhares de contos”. Número astronómico para a época, apesar de pouco mais de metade das unidades hoteleiras do país tivesse respondido ao inquérito do Banco de Portugal. Estes números representavam um acréscimo de mais de 21% e confirmavam a tendência de crescimento verificada nos anos anteriores. O distrito de Lisboa ocupava o primeiro lugar no valor de capitação (total de receitas a dividir pelo número de camas), seguido pela Madeira, que neste capítulo tinha descido para segundo lugar por troca com a capital. É ainda destacada a subida de Bragança, com quase mais 300 %, devida ao aumento das dormidas dos emigrantes e seus familiares nas unidades hoteleiras do distrito. Por fim os dados recolhidos permitiram concluir que o distrito de Lisboa, Faro e a região autónoma da Madeira representavam quase 90% do total das receitas a nível nacional. 

Público, 23 de agosto de 1991

Estes números relativos à região de Lisboa, quando comparados com os atuais, confirmam o crescimento exponencial que o turismo teve, principalmente desde o início do século XXI. Em 2011, a cidade recebia, entre nacionais e estrangeiros, quase três milhões de hóspedes; em 2015 eram já seis milhões de hóspedes (mais 83% e 25% do total nacional), que ficavam cada vez mais dias na capital. Nos últimos dez anos, Lisboa foi a quarta cidade europeia com maior crescimento no número de visitantes. Em 2019, teve mais de 18 milhões de dormidas e 8 milhões de visitantes, com receitas de 18,4 mil milhões de euros. Com a pandemia, os anos de 2020 e 2021 foram atípicos, mas tudo aponta para que este ano de 2022 se atinjam novos recordes, tanto no número de dormidas como de visitantes, tanto nacionais como estrangeiros.

Em 2011, existiam pouco mais de 130 Alojamentos Locais enquanto em 2018 estavam já registados mais de 14.000. Calcula-se que, atualmente, sejam já mais de 20.000, ultrapassando a oferta disponível das unidades hoteleiras.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search