Uma Minhota, duas fotografias

No nosso projecto, usamos a fotografia não só como um instrumento para a representação das realidades observadas no terreno, mas sobretudo como prática que conduz à produção de conhecimento. Alicerçados na antropologia visual participativa, pretendemos explorar a construção de conhecimento através de práticas visuais (Pink 2001).

No nosso trabalho de campo colaborativo durante o Primeiro Passeio, a prática da fotografia evidenciou as diferentes abordagens à cidade que os nossos investigadores-cidadãos trouxeram para este projecto. Tal ficou explícito quando percorremos a rua de São José e as transformações recentes, muitas delas disruptivas, nesta rua foram fotografadas de modo diferente por cada um dos caminhantes, evidenciando distintas sensibilidades às alterações urbanas. O caso mais evidente aconteceu com a Leitaria e Manteigaria A Minhota.      

Inaugurada na década de 20 do século XX, a Leitaria e Manteigaria A Minhota fechou a as portas em 2019. Nos anos anteriores ao fecho, tinham-se multiplicado os discursos de defesa e salvaguarda de locais e ambientes de uma Lisboa apelidada de “tradicional” ou “autêntica” ou “histórica”, os quais acompanharam, e procuraram resistir, às novas dinâmicas introduzidas no “centro histórico” de Lisboa pelos movimentos turísticos, pela pressão imobiliária e a gentrificação. Este foi um discurso formado e partilhado por várias instâncias, do poder político à comunicação social e às ciências sociais. Entre outros exemplos, o relatório Novas Dinâmicas urbanas no Centro Histórico de Lisboa,encomendado pelas Juntas de Freguesia de Santa Maria Maior, de São Vicente e da Misericórdia à Quaternaire (2017), assinalou a tendência da “descaracterização e a perda de identidade, de cultura, de património (perda de elementos vivos que não conseguem resistir à nova “concorrência”, seja pelos preços, seja pela falta de utilizadores-clientes que “transportavam” os valores identitários).” Neste contexto de resistência, a Leitaria Manteigaria A Minhota foi eleita uma das Lojas com história, o programa da Câmara Municipal de Lisboa destinado a “preservar e salvaguardar os estabelecimentos e o seu património material, histórico e cultural.”

O registo fotográfico permite entender diferentes experiências de investigação deste fenómeno recente. Uma das nossas caminhantes, Andreia Magalhães, geógrafa, com mestrado em Planeamento Regional e Urbano, membro da associação ambientalista Zero, fotografou esta loja, realçando, através do enquadramento escolhido, em plano aberto, o fecho da loja e a degradação do edifício. Em notas escritas a propósito do Passeio, acrescentou que “muitos estabelecimentos comerciais fecharam (p. ex. leitaria/manteigaria, sapataria) e/ou deram origem a novas atividades.” A fotografia permitiu entender melhor como o fecho da loja, se levou à degradação material do edifício, também trouxe novas intervenções urbanas no espaço público. Permite ainda entender como a pintura de tags e graffiti se concentram na montra e na porta de entrada da loja, deixando praticamente intocado o painel de azulejos. Duas linguagens de comunicação urbanas e populares – uma, mais transgressiva e desinteressada (graffiti), e outra, mais comercial e estetizada (publicidade), – convivem nesta fachada do edifício. 

Do mesmo ponto de observação, Nuno Castro Caldas, arquitecto de formação, doutorando em Arquitectura com uma tese sobre a financeirização da habitação em Lisboa e que colabora também no nosso projecto, escolheu um enquadramento mais fechado sobre a rua de São José de forma a centrar a atenção no painel de azulejos. Desta forma, a composição da fotografia individualiza este painel de azulejo publicitário, privilegiando a sua qualidade estética em desfavor de elementos contextuais do espaço urbano (rua/edifício). 

Referências:

Sarah Pink, Doing Visual Ethnography. Images, Media and Representation in Research. SAGE: Londres/Nova Dehli, 2001.

Artur Costa et al (coord.), Novas Dinâmicas Urbanas no Centro Histórico de Lisboa. Quaternaire, Dezembro 2017.

Cidade (In)visível no Encontro Nacional de Ciência Cidadã

A equipa da Cidade (In)visível apresentou o seu projecto-piloto no Encontro Nacional de Ciência Cidadã, o qual visou a partilha e a discussão dos desafios e das boas práticas que levam a um envolvimento mais efetivo dos cidadãos nos processos de investigação científica. Entre 25 e 26 de Novembro, num formato misto (presencial e online), este Encontro reuniu mais de 50 comunicações que discutiram experiências e resultados de projectos de ciência cidadã em Portugal.  

Apresentação do projecto na Biblioteca Municipal de Oeiras, Encontro Nacional de Ciência Cidadã

Num painel dedicado à Educação, Sociedade e Cidadania (livro de resumos), apresentámos o nosso projecto-piloto, reflectindo, em especial, sobre os métodos da investigação colaborativa que colocámos em prática nos últimos meses. Expusemos o nosso processo de pesquisa assente numa combinação de métodos historiográficos, sociológicos e, sobretudo, etnográficos e a forma como os investigadores-cidadãos têm participado nas várias iniciativas.  

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search