A encruzilhada do turismo

post

As cidades têm merecido uma crescente atenção quando se fala de sustentabilidade, entre outras razões, porque são territórios cujo crescimento, em termos populacionais, se prevê que continue a ser uma tendência. Trabalhar as cidades nas cidades e com quem vive e constrói esses territórios será fundamental para atingirmos objetivos se sustentabilidade. 

Em cidades como Lisboa uma das áreas de grande impacto na sustentabilidade é o turismo. Se o olhar se centrar nos aspetos menos positivos podemos sublinhar os impactos decorrentes das infra-estruturas locais necessárias para acolher o fluxo de turistas,  ou o consumo direto de recursos (produtos e serviços) pelos turistas durante a estadia, bem como os impactos indiretos associados às emissões de gases com efeito de estufa (a par com muitos outros poluentes e uso de recursos) associados à mobilidade, que, no caso de Lisboa, é muitas vezes suportada em viagens aéreas, mas onde os navios de cruzeiro também já têm um papel.  

Num estudo publicado em 2019 Lisboa surge como o porto europeu com maior tráfego de navios de cruzeiro (115), seguido de Barcelona e Palma de Maiorca (em 2017). Os dados indicam que, no que respeita aos óxidos de enxofre, os navios de cruzeiro emitiram 3,5 vezes mais que os automóveis que circulam na cidade. Já no que respeita aos óxidos de azoto, os navios de cruzeiro em Lisboa emitiram quase o equivalente a um quinto dos 374 mil veículos de passageiros que circulam na cidade (link). Este é um impacto sobre o qual poucos pensam, mas que é real (ou era no período estudado, sendo que o mais importante é perceber como será no futuro).

Claro que o boom turístico que a cidade de Lisboa conheceu nos últimos anos também foi o motor de transformações importantes, por exemplo ao nível da reabilitação de edifícios, embora também tenha colocado uma enorme pressão sobre o parque habitacional, em particular em alguns bairros históricos da capital. 

O projeto COESO, financiado pelo Horizonte 2020, do qual a ZERO é parceira, tem por objetivo olhar para o fenómeno do turismo através de uma lente diferente, contando, quase desde o primeiro momento, com o envolvimento de quem vive na cidade ou para quem a cidade faz parte da vida.

Foi um projeto pensado num tempo diferente, para uma realidade que foi transformada de forma impensável há apenas dois anos atrás. A Lisboa turística de hoje é ainda a mesma cidade sobre a qual pensávamos quando o projeto foi elaborado? Claramente não. É cedo para se conseguir vislumbrar com clareza o que veio para ficar, o que se perdeu e o que se ganhou com esta experiência em larga escala e em tempo real qua a pandemia veio impor. Mas é também um momento particularmente interessante e relevante. Enquanto sociedade, experienciámos o que, para alguns, já era um excesso, para logo de seguida experienciarmos o seu exato oposto. Até que ponto a confrontação com o inesperado alterou a perspetiva sobre o papel que o turismo desempenhou ontem, desempenha hoje e desempenhará no futuro da cidade de Lisboa?

Neste projeto onde a co-criação da investigação é um dos pressupostos centrais, sempre numa lógica de explorar o potencial de uma ciência cidadã, estamos, de facto, perante um contexto promissor para uma reflexão fundamentada e partilhada sobre o que o turismo representa para a cidade de Lisboa.

Para uma organização não governamental de ambiente como a ZERO esta é, de facto, uma oportunidade única de trazer para o debate as suas preocupações, mas também para ouvir e refletir sobre os diferentes pontos de vista que serão partilhados. Dessas reflexões daremos conta em próximos textos.

Porquê estudar o turismo?

Actualmente, o turismo apresenta-se como um campo de estudos complexo e diversificado na área das Ciências Sociais e Humanidades, geralmente baseado numa profunda abordagem interdisciplinar (através do diálogo entre a sociologia, a história, a antropologia e os estudos culturais).

Avenida da Liberdade, Dia do Turista, 1969. Arquivo RTP

Investigações anteriores sobre o turismo captaram o potencial transformador duradouro das viagens e do turismo na construção de conceções modernas acerca do espaço urbano, das sociabiliades urbanas, dos lazeres e da vida urbana em geral (Cock 2001). O turismo é um fenómeno bastante  diverso e as suas formas e práticas cruzam-se e sobrepõem-se a outros padrões de produção, mobilidade e consumo (Colomb & Novy 2017; Stock 2010). Defendemos que a diversidade das práticas e condições turísticas podem ser consideradas como ponto de observação estratégica da vida urbana, mas também das questões ambientais em meio urbano. Consideramos também que o turismo é, fundamentalmente, político: a nível micro – num bairro, numa rua, num edifício – podemos observar e captar conflitos, mediações, processos de acordo, os quais em conjunto moldam a vida urbana.

Cocks, C. (2001). Doing the town: The rise of urban tourism in the United States, 1850-1915. University of California Press. 

Colomb, C., & Novy, J. (2017). Protest and resistance in the tourist city. Routledge.

Stock, M. (Ed.). (2010). Le tourisme: Acteurs, lieux et enjeux. Belin.

Cidade (In)visível

Este blogue acompanha o projecto “Cidade (In)visível. Turismo e outras práticas quotidianas em Lisboa”, um projecto-piloto de investigação colaborativa conduzido no âmbito do projecto europeu COESO – Collaborative Engagement for Societal Issues, que tem por objetivo desenvolver e partilhar ciência colaborativa no âmbito das Ciências Sociais e das Humanidades.

Este projecto vai observar práticas turísticas a uma escala micro, documentando e analisando situações de conflitos, mediações, processos de acordo, os quais moldam a vida urbana. Resulta de uma colaboração entre o CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia) e a ZERO (Associação Sistema Terrestre Sustentável), e conta ainda com a participação de dois parceiros locais: a Junta de Freguesia de Santo António e a Universidade Autónoma de Lisboa. Este é um projeto-piloto conduzido no âmbito do COESO (Collaborative Engagement on Societal Issues (EC-H2020-SWAF). Através de uma investigação colaborativa, o CRIA e a ZERO estão envolvidos num processo de cocriação com o intuito de definir objetivos, âmbito e métodos de investigação.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search