Roupa colorida que a gente estendeu

Calças cinzentas e camisas estampadas, calças de ganga, mantas às riscas e meias de vários tamanhos dispõem-se na corda de um rés-do-chão de um prédio da Travessa dos Despacho, à rua do Passadiço. As roupas coloridas estendidas nas varandas e nas janelas, expostas ao sol de Verão e de Inverno, marcam há muito a paisagem urbana de Lisboa, à semelhança de outras cidades do Sul europeu. Ao caminhar em Outubro passado pelo bairro de São José, eu, a Andreia Magalhães, a Islene Façanha e o Nuno Castro Caldas, associados da ZERO, questionávamo-nos se esta era uma boa maneira de sabermos mais sobre quem vive nestes prédios. Estávamos num Sábado de manhã, numa altura em que se tornam prementes os afazeres domésticos da semana, e espalhava-se pelas ruas o perfume da roupa recém-estendida. A variedade de roupa, dos calções de criança às camisas de trabalho, fazia-nos pensar que ali continuavam a viver famílias. 

Será que há roupa estendida nas fachadas ou nas traseiras dos alojamentos locais que começaram a pontuar o bairro? A roupa branca que por vezes e vê nos estendais dos ‘bairros populares’ sugere uma padronização introduzida pela presença do turismo. Mas os alojamentos locais parecem distinguir-se apenas pela sua discrição, no desejo de se confundirem com a restante malha urbana. Também as lavandarias se multiplicaram recentemente em Lisboa, suprindo as necessidades de residentes temporários, turistas de um dia ou estudantes por um ano, que vivem em casas com equipamentos reduzidos. Os visitantes por um, dois ou três dias podem, contudo, experienciar o ‘centro’ da cidade e o espírito de vizinhança que acompanha a imaginação turística de Lisboa. Talvez esta seja uma das pistas para percecionar as recentes transformações no quotidiano urbano. A roupa estendida às janelas revela uma domesticidade apresentada no espaço público. Através da roupa às janelas podemos começar a perceber quem e como se mora hoje na cidade? 

Por estes dias de Maio, mantas, t-shirts e calções vindos dos subúrdios de Lisboa estão estendidos numa corda da roupa em Marselha em frente ao Mucem – Musée des civilisations de l’Europe et de la Méditerranée. Fazem parte da peça Kintal (2022), do colectivo Unidigrazz, uma obra produzida para ser mostrada durante o Festival Iminente que decorre naquele museu. As experiências comuns de Tristany, do ilustrador Nuno Trigueiros, do realizador Diogo Carvalho, e ainda de Sepher AWK et Rappepa BeDju na linha de Sintra levou-os a reflectir sobre as desigualdades nos espaços suburbanos. E a roupa estendida, que desigualdade revela?

Na Aldeia da Roupa Branca (1939), Beatriz Costa cantava alegremente enquanto lavava “Três corpetes, um avental /Sete fronhas e um lençol /Três camisas do enxoval / Que a freguesa deu ao rol”. Neste filme, conta-se uma história passada num tempo em que a “roupa branca” da burguesia lisboeta era dada a lavar às lavadeiras que iam a vinham da região saloia. “Ver a aldeia traz à ideia/ Roupa branca que a gente estendeu”. E hoje, onde e quem lava a roupa no bairro de São José em Lisboa? 

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search