Passeio por Santo António

Há uma cidade autêntica, há uma identidade de Lisboa? Como se ocupa o espaço público (ruas, passeios, esplanadas) na cidade? Quem são os habitantes? Há diferenças e os conflitos entre residentes e visitantes? O que compramos na cidade, quem compra e quem vende? Estas foram algumas das questões que nos colocámos a partir de uma primeira fase exploratória do projecto Cidade (In)visível e das conclusões do workshop realizado no passado 23 de Setembro. A partir daquelas questões orientadoras, decidimos organizar um Passeio por Santo António com os investigadores e associados da ZERO, com vista a observar e registar os efeitos do turismo na vida quotidiana nesta freguesia de Lisboa. Acreditamos que, ao percorrer o espaço público em conjunto, a experiência do passeio permite assinalar diferentes dimensões da vida urbana quotidiana. Observar quem usa, habita e reclama certos espaços públicos, em que condições ambientais se encontram, como as ruas e fachadas dos edifícios reflectem a vida social de quem os habita, o que vendem as lojas abertas, permite registar relações sociais e outros fenómenos sociais urbanos. Toma-se assim o acto de caminhar em conjunto como base de uma metodologia de investigação colaborativa de cariz etnográfico. 

No Sábado, dia 23 de Outubro, pelas 11h, os caminhantes encontraram-se na escadaria do cinema São Jorge, na Avenida da Liberdade, para iniciar cerca de hora e meia de percurso pelas ruas e praças de Santo António. Oito pessoas – dois investigadores acompanhados de seis associados (ou conhecidos) da Associação ZERO – dividiram-se em dois grupos, com o objectivo de explorar cada uma das colinas que ladeiam a Avenida da Liberdade. Duas equipas assim constituídas registaram as suas observações através de fotografias, gravação de som e ainda através de apontamentos em cadernos. Observámos, conversámos e registarmos em conjunto as transformações urbanas que foram ocasionadas pelo turismo, também de forma a podermos partilhar alguns dos registos recolhidos através deste nosso blogue Cidade (In)visível. Para já, publicamos os percursos realizados por cada um dos grupos:

Mapa do Grupo 1_bairros de Santa Marta e São José
Mapa do Grupo 2_Colina do Príncipe Real

Primeiro Workshop Cidade (In)visível

Primeiro Workshop Cidade (In)visível, 23 de Setembro de 2021

O primeiro workshop do projecto, o qual juntou investigadores e associados da ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável, realizou-se dia 23 de Setembro, marcou o momento de arranque desta investigação colaborativa. Na plataforma zoom, aos membros da equipa de investigação deste projecto-piloto, constituída pela Elisa Lopes da Silva, Frédéric Vidal, Israel Guarda, que trabalham no âmbito do CRIA Centro em Rede de Investigação em Antropologia, juntaram-se Euclides de Sousa, Nuno Degroote, Andreia Magalhães, Nuno Castro Caldas, Karin Potter, Joana Conduto, associados da ZERO que responderam ao apelo que lhes tinha sido dirigido por email por Susana Fonseca, enquanto membro da Direcção da ZERO e também investigadora deste projecto. Também presente neste workshop esteve Filipa Somsen, trabalhadora da Junta de Freguesia de Santo António e  estudante da Universidade Autónoma de Lisboa, duas instituições que são importantes parceiros locais neste estudo. Camilo León-Quijano, antropólogo visual do projecto COESO, de que este piloto faz parte, juntou-se a nós para observar o nosso processo de investigação colaborativa.

Apresentação em powerpoint do objectivo do projecto

Apresentação em powerpoint da pesquisa de imagens

workshop decorreu durante cerca de duas horas e foi dividido em duas partes. Durante os primeiros 30 minutos, os membros do projeto apresentaram os objetivos, o âmbito e os métodos de investigação, bem como alguma pesquisa de arquivo já realizada (recolha de imprensa e imagens: televisão, fotografia) em torno dos efeitos do turismo na transformação dos usos quotidianos do espaço urbano de Lisboa nas últimas duas décadas. Na segunda parte, depois das apresentações individuais, a conversa entre os participantes decorreu sobre as transformações recentes na cidade em virtude da massificação do turismo, em particular no difícil equilíbrio entre os interesses, necessidades e práticas dos residentes, dos turistas e de outros usuários da cidade.

Elisa Lopes da Silva

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search