Turismo em Lisboa

Desde o final da década de 1990, Lisboa tornou-se um dos destinos turísticos de crescimento mais rápido na Europa. Nos últimos anos (antes da pandemia do COVID-19), o forte aumento do turismo transformou profundamente a cidade. Torna-se, portanto, relevante entender como os impactos sociais, económicos e ambientais do turismo são entendidos pela comunidade local (residentes; negócios e consumidores).

Observatório do Turismo de Lisboa, Dezembro 2019, p. 30

Como em outras cidades com padrões semelhantes de densificação do turismo, surgiram movimentos de resistência formais e informais. Entre 2010 e 2020, foram frequentes os protestos contra o turismo e, por vezes, altamente mediatizados. Formais ou informais, muito diversificados e, por vezes, criativos (filmes, cartazes, grafites, espetáculos), estes protestos surgiram em parte relacionados com outros movimentos sociais ou conflitos sociais locais mais amplos (contra a gentrificação, problemas habitacionais ou políticas urbanas em geral). 

O âmbito e os objetivos deste piloto foram definidos em 2019, antes do surgimento da pandemia de COVID-19. Em Lisboa, como em outras cidades turísticas da Europa, a pandemia teve um impacto enorme e imediato na economia do turismo. Por esse motivo, o nosso objetivo terá agora que ser visto sob outro prisma, pois teremos que estudar também como a pandemia afetou as perceções e as práticas dos atores envolvidos, no que diz respeito à sua compreensão do turismo na cidade.

Estudo de caso: freguesia de Santo António de Lisboa

 

Este projecto irá trabalhar em microescala. O nosso principal campo de estudo situa-se na freguesia de Santo António, no centro de Lisboa. Esta freguesia é um território muito heterogéneo com um enquadramento socioeconómico distinto. O impacto do turismo está lentamente a mudar o tecido sociodemográfico e económico desta área, com efeitos diretos nos hábitos diários, nos consumos populares e nos comportamentos da população local.Os novos residentes, muitos deles transitórios, estão a mudar as ideias das comunidades preexistentes, abrindo caminho a novas perspetivas de negócio, de lazeres e outras atividades com impacto direto no ambiente urbano. Tal é sentido com maior intensidade na zona este da freguesia, devido ao seu contexto mais popular, mas os efeitos são sentidos em todo o território, dada a proximidade com o centro da cidade. A crise pandémica que se vive não parou este processo, mas desacelerou-o e trouxe, seguramente, novos desafios a um contexto urbano já sob grande pressão. 

Porquê estudar o turismo?

Actualmente, o turismo apresenta-se como um campo de estudos complexo e diversificado na área das Ciências Sociais e Humanidades, geralmente baseado numa profunda abordagem interdisciplinar (através do diálogo entre a sociologia, a história, a antropologia e os estudos culturais).

Avenida da Liberdade, Dia do Turista, 1969. Arquivo RTP

Investigações anteriores sobre o turismo captaram o potencial transformador duradouro das viagens e do turismo na construção de conceções modernas acerca do espaço urbano, das sociabiliades urbanas, dos lazeres e da vida urbana em geral (Cock 2001). O turismo é um fenómeno bastante  diverso e as suas formas e práticas cruzam-se e sobrepõem-se a outros padrões de produção, mobilidade e consumo (Colomb & Novy 2017; Stock 2010). Defendemos que a diversidade das práticas e condições turísticas podem ser consideradas como ponto de observação estratégica da vida urbana, mas também das questões ambientais em meio urbano. Consideramos também que o turismo é, fundamentalmente, político: a nível micro – num bairro, numa rua, num edifício – podemos observar e captar conflitos, mediações, processos de acordo, os quais em conjunto moldam a vida urbana.

Cocks, C. (2001). Doing the town: The rise of urban tourism in the United States, 1850-1915. University of California Press. 

Colomb, C., & Novy, J. (2017). Protest and resistance in the tourist city. Routledge.

Stock, M. (Ed.). (2010). Le tourisme: Acteurs, lieux et enjeux. Belin.

Cidade (In)visível

Este blogue acompanha o projecto “Cidade (In)visível. Turismo e outras práticas quotidianas em Lisboa”, um projecto-piloto de investigação colaborativa conduzido no âmbito do projecto europeu COESO – Collaborative Engagement for Societal Issues, que tem por objetivo desenvolver e partilhar ciência colaborativa no âmbito das Ciências Sociais e das Humanidades.

Este projecto vai observar práticas turísticas a uma escala micro, documentando e analisando situações de conflitos, mediações, processos de acordo, os quais moldam a vida urbana. Resulta de uma colaboração entre o CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia) e a ZERO (Associação Sistema Terrestre Sustentável), e conta ainda com a participação de dois parceiros locais: a Junta de Freguesia de Santo António e a Universidade Autónoma de Lisboa. Este é um projeto-piloto conduzido no âmbito do COESO (Collaborative Engagement on Societal Issues (EC-H2020-SWAF). Através de uma investigação colaborativa, o CRIA e a ZERO estão envolvidos num processo de cocriação com o intuito de definir objetivos, âmbito e métodos de investigação.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search